REVISTAS

EDITORIAL

Mateus 18.5:

Quem recebe uma destas crianças em meu nome, está me recebendo”.

A Graça e a Paz do nosso Senhor Jesus Cristo, seja com todos.

Ao chegar o Dia das Crianças, e ao olhar para meus netos, e para muitas crianças do meio onde convivemos, lembro daquelas que não tem este privilégio. O privilégio de não ter um lar, de não ter uma família, e quando tem a família, muitas vezes não tem o que comer, não tem acesso a serviços de saúde dignos, não tem direito à infância, a crescerem em um ambiente saudável e humano.

Esta semana, li a história de quatro crianças na Índia (um menino de dez anos, e três meninas menores), que em um curto espaço de tempo, o pai faleceu e a mãe também faleceu recentemente com problemas de saúde. Após o falecimento do esposo, a mãe foi expulsa junto com as crianças da vila onde moravam e a família também lhes negou apoio. Ela trabalhava como diarista e empregada doméstica para cuidar dos filhos pequenos, e participava dos programas de treinamento da Portas Abertas. Teve uma infecção na garganta, que agravou-se e veio a falecer. Louvamos a Deus, porque a Igreja que a senhora frequentava assumiu o cuidado com as crianças.

Temos histórias de crianças na Síria vítimas da guerra e louvamos a Deus porque lá também a Portas Abertas mantém Centros de Esperança, onde crianças e jovens recebem alimentos, aulas de inglês, aulas de introdução à fé cristã e treinamento para casais.

Missionários apoiado pelo Ministério Por Amor Ao Mundo, que trabalha no campo de refugiados em Senou (África Central), fala que tem enfrentando grandes desafios como: falta de alimentos para a maioria das famílias, muitas crianças desnutridas, muitos enfermos de malárias, infecções nos olhos e outras enfermidades.

Dia 1º de agosto, eles levaram a um hospital um garoto de dois anos com apenas 5,600Kg com desnutrição severa. Ficou hospitalizado 13 dias e teve alta com 6,100Kg. “Continua o tratamento em casa, e os exames, transporte, medicamentos e alimentação foram tudo por nossa conta… aqui não existe SUS, é tudo pago”, conta os nossos Missionários Se&Xica…(nome não divulgado devido perseguição religiosa).

É analisando estes casos, que fazemos as perguntas: Para qual Crianças?  e qual a Esperança?

Que o Senhor tenha misericórdia dos nossos pequeninos…                     O EDITOR.

OBS: Ao ler esta Revista, não rasgue ou jogue fora; doe para que outra pessoa conheça nosso ministério e juntos possamos tornar o Reino de Deus conhecido. Deus te abençoe.

CRIANÇA ESPERANÇA: QUAL CRIANÇA? QUAL ESPERANÇA ?


Fotos de crianças atingidas pela guerra na Síria

COORDENADORA DA MSF (Médicos Sem Fronteiras) RELATA HORRORES DOS CAMPOS DE REFUGIADOS DA GRÉCIA.

A belga Caroline Willemen tem 33 anos e um diploma em Relações Internacionais. Mas sua vida, como a de muitos profissionais europeus de sua geração, tem sido dedicada ao trabalho, muitas vezes voluntário, em diversas ONGs humanitárias pelo mundo.

Em 2019, Willemen tornou-se coordenadora da Médicos sem Fronteiras (MSF) na Ilha de Lesbos, na Grécia, e testemunhou a situação crítica da superlotação de famílias e crianças vindas especialmente de países como Afeganistão, Síria, Iraque e Somália. Entre os sintomas do estresse pós-traumático, as automutilações e as tentativas de suicídio entre menores soam o alerta vermelho para profissionais que atuam no local, como relata a ativista nesta entrevista à RFI.

Segundo Caroline Willemen, o espectro de doenças mentais que atinge as crianças migrantes nos campos de refugiados é muito amplo. “São crianças de todas as idades, de três anos até a adolescência. Entre os principais sintomas, nossos psicólogos e médicos notam crianças que mudam radicalmente de comportamento, e que, do nada, se tornam agressivas. Há também crianças que parecem desistir da vida, que se tornam muito quietas, não interagem mais, param de comer, beber e não dormem, e aquelas que, aos 10, 12 anos voltam a fazer xixi na cama, um sintoma clássico”, conta a coordenadora do MSF.

Vemos crianças que se automutilam, outras que falam sobre se automutilar, e outras que efetivamente tentaram colocar fim em suas vidas. É importante lembrar que esses casos extremos são uma minoria, mas eles refletem a ponta de um iceberg muito mais profundo”, avalia.

O tema do suicídio entre crianças migrantes na ilha de Lesbos foi abordado pela primeira vez numa carta divulgada pelo presidente internacional dos Médico sem Fronteiras, Christos Christou, e publicada pela imprensa europeia. Nela, Christou relata tentativas de suicídio “semanais” em Lesbos. Segundo números atualizados, mais de 40.000 pessoas amontoam-se em tendas nos campos insalubres de Lesbos e de quatro outras ilhas do Mar Egeu.

Apenas no campo de Moria, em Lesbos, existem no momento cerca de 17.000 migrantes, ainda que sua capacidade seja de apenas 3.000 refugiados. Desde a assinatura do acordo entre a Turquia e a União Europeia em 2016, esses campos tornaram-se uma espécie de “áreas de espera” para solicitantes de asilo que aguardam meses ou até anos até que a solicitação seja processada. A MSF e outras ONGs solicitam a “evacuação de emergência” de crianças e outros migrantes vulneráveis que sobrevivem nesses campos em condições “desumanas” e “miseráveis”.

“Em média, cerca de 40% das pessoas que chegam na ilha têm menos de 18 anos. Dos 17.000 migrantes em Moria, posso dizer que 8.000 são crianças. Desses, mais de mil se encontram completamente sozinhos, por diferentes razões. Alguns se perderam dos pais no caminho, outros perderam os pais de fato, porque alguns não conseguem sobreviver à viagem, que é muito perigosa. Outros são afegãos entre 14 e 18 anos que não suportavam mais viver em zonas devastadas pela guerra, e decidiram fugir a qualquer preço, sozinhos. São muitos motivos diferentes que levam ao isolamento das crianças, não existe uma história única”, afirma a coordenadora.

Caroline Willemen lembra que existe “um banheiro para 65 pessoas, uma ducha para 90”. “Não se trata de um desastre natural, de uma epidemia. É uma escolha política da União Europeia, que força as pessoas a viver nessas circunstâncias”, diz.

Ongs como a MSF organizaram nas ilhas gregas um sistema básico de acolhimento destinado a tomar conta das crianças desacompanhadas. “No entanto, não é suficiente na maioria dos casos. E agora, com tantas crianças sozinhas, ficou impossível. Dentro dos campos existe o que chamamos de ‘Zonas de Proteção’, específicas para menores sem acompanhamento. Eles deveriam contar com uma vigilância específica, mas sabemos que, por exemplo, os guardas não ficam lá a noite inteira. Há espaço para 200 crianças, mas hoje cerca de mil estão lá”, relata.

Caroline conta que a primeira ação que tomava, no caso de crianças que tentaram o suicídio, era isolá-las para “não ficarem expostas”. “Todos querem cuidar de crianças com esse perfil. Mas sempre deixei os casos mais severos nas mãos de meus colegas dos Médicos sem Fronteiras, muito mais qualificados do que qualquer pessoa para lidar com esse tipo de situação”, relata.

PEDIATRA DA MSF fala sobre sua experiência tratando crianças com desnutrição na Nigéria

“Acordo no meio da noite com som alto de trovão. Deitado na cama sob uma rede de proteção para mosquitos, ouço o som forte do vento contra a janela do alojamento de Médicos Sem Fronteiras (MSF). A chuva cai do lado de fora e eu penso nos campos de deslocados internos. Será que suas barracas de lona e casas de telhas de zinco irão resistir a essa tempestade?”

Pela manhã, de dentro do carro de MSF, vejo as ruas de chão batido alagadas. Maiduguri, a grande cidade do norte da Nigéria, se encontra de baixo da água. De clima muito seco e paisagens amareladas, essa região subsaariana conta com uma longa e quente temporada de seca. Entretanto, estamos em agosto e a temporada de chuvas muda a paisagem da cidade quase desértica e com sol escaldante para tons mais verdes e alagadiços.  

Em direção ao hospital, vemos as ruas se transformarem em verdadeiros lagos. O lixo flutua sobre a água e o carro passa lentamente pela estrada. Ouço crianças gritarem da rua: “bature!”, homem branco em hauçá, uma das mais de 300 línguas faladas no país. O jovem grupo de meninas vestia véus rosa e vestidos azuis enquanto acenavam e sorriam para mim. Eu sorria e acenava de volta pela janela do carro, mas não podia deixar de notar que elas caminhavam descalças com a água até os joelhos.

O mês de agosto marca o pico da desnutrição infantil na região. Pouco antes da colheita, o alimento começa a ficar ainda mais escasso e a fome cresce. Não bastasse isso, a chuva traz consigo a proliferação dos mosquitos da malária e a água parada carrega a cólera. Nos campos de deslocados internos o estrago é ainda maior. São mais de 10 anos de conflito entre o Estado e grupos armados. Com medo da violência, muitas pessoas abandonam suas casas e deixam seus vilarejos para fugir para a capital. Aqui chegando, não encontram emprego, escolas ou sistema de saúde gratuito.

Chegando ao hospital, vejo que as tendas já se encontram cheias de novos pacientes para serem triados. Aqui atendemos crianças com desnutrição grave. São um total de 100 leitos, com mais de 400 pacientes internados por mês e outros mil atendidos no ambulatório. Nossas modestas instalações de lonas ajudam muitas crianças todos os anos. Saio do carro e me dirijo a uma das barracas onde ficam os pacientes mais graves.

O dia recém começava e o trabalho já era intenso; uma criança que viera à noite se encontrava em estado muito grave. Era um menino de pouco mais de 9 meses de vida que pesava menos de 3 quilos. Em seu corpo frágil, a cada respiração profunda, eu observava a proeminência dos ossos em seu peito. Os olhos fundos estavam parados. Infelizmente, nessa época do ano, vemos muitos casos como esses. São crianças oriundas de regiões pobres e afetadas pelo conflito, chegam muitas vezes com quadros de infecção grave que acompanham a desnutrição.

Durante toda a manhã permaneci com esse paciente e sua mãe. Horas difíceis em que vemos, aos poucos, uma criança morrer. Não demorou muito. Mesmo com os antibióticos, o oxigênio e todo suporte que podíamos dar, o menino faleceu. Sua mãe permanecera todo o tempo ao seu lado. Em seu rosto, eu percebia um semblante sofrido e calejado. Esse não era o primeiro filho que ela via morrer. A sua história se repetia entre as mães que eu conhecia. Engravidavam jovens, chegavam a ter mais de 10 filhos, mas quase metade deles vinha a falecer. A Nigéria apresenta ainda hoje números altos de natalidade e de mortalidade infantil; números esses de carne e osso, os quais eu via todos os dias.

Trabalhando em um projeto como esse, a morte se faz presente no dia a dia e logo nos habituamos a conviver com ela. Felizmente, não apenas de casos tristes se faz um hospital. Perto do fim da tarde, ouvi o doutor Bashir rir enquanto conversava com uma mãe que repetia o meu nome. Alexandre, dizia ela com um sotaque muito carregado. Me aproximei e perguntei o que estava acontecendo. A mãe de Usman, um pequeno garoto de pouco mais de 1 ano de idade, segurava a criança no colo. Ele havia passado quase um mês conosco e logo estaria de alta. Suas lesões de pele, típicas de kwashiorkor – um tipo raro de desnutrição – estavam cicatrizando bem e sua mãe estava feliz. A jovem mulher estava grávida novamente e contou a Bashir que gostaria de dar a seu filho o meu nome como forma de agradecimento.

Uma criança com o meu nome nascerá na Nigéria. Ela irá correr pelas ruas de chão batido, sentirá o sol escaldante contra a pele, gritará “bature” ao ver um carro de MSF passar? Qual futuro essa criança terá eu não sei, mas posso ver a vida se recriar nos olhos sorridentes daquela jovem mãe. Ela e seu filho ainda terão muitos desafios por enfrentar. A temporada de chuvas passará e com ela uma nova colheita se aproxima. As águas que carregam consigo a morte e as doenças, são também as que geram a vida e trazem a esperança de dias melhores para as pessoas que vivem em Maiduguri.”                          Dr. Alexandre Bublitz – Pediatra da MSF

Fonte: msf.org.br

RELATÓRIO FINANCEIRO – Mês de setembro 2020

I – MISSIONÁRIOS MANTENEDORES:

1. COM EVANG do MPAOM…R$ 100,00

2. CONS ODONT Dr Mário S…R$  60,00

3. Ednalva Andrade 2ªIgBatMang…R$  15,00

4. ESC CONTAB Onezildo Martins. R$  50,00

5. FARMÁCIAS KIFARMA…R$ 200,00

6. GRANJA LAZER…R$ 100,00

7. IgBatIndCristã – Pr. Eli…R$ 100,00

8. J.Francisco (Pr Kito)… R$ 200,00

9. Of NIdentificada – 2ªIgBatMang…R$   20,00

10. Pedro Anízio IgBatIndCr…R$ 200,00

11. Risolene, Irª  – 2ªIgBatMang … R$   50,00

12. Rosemayre L.Irª…R$   50,00

13.STCNe- Campus JPessoa…R$   50,00

14.Zenildo, Zilda, Josilene -2ªIgBatMang..R$   50,00

TOTAL DAS OFERTAS: R$ 1.245,00

II – DISTRIBUIÇÃO:

Miss. J. B.(Neidinha)… R$ 100,00

Miss. S. & Xica (África)… R$ 300,00

Miss. Noelma (Ciganos)…R$ 100,00

M.Portas Abertas …R$ 100,00

 MSF (Méd Sem Fronteiras)..R$ 100,00

MEAP (MissEvAssistPescadores)..R$ 100,00

 ProgFaldeMissões(R$ 350)+Ed/Grav(R$ 100)..R$ 450,00

TOTAL DAS DESPESAS: R$ 1.250,00

III – MOVIMENTAÇÃO FINANCEIRA:

Saldo Anterior (+) …R$    170,11 

Ofertas ( + ) …….R$ 1.245,00

Despesas ( – ) …R$ 1.250,00

SALDO ATUAL …R$ 165,11

 J. Pessoa, 30 de setembro de 2020

Pr. ABEL PINHEIRO DANTAS – Presidente do MPAOM

OBSERVAÇÃO: Recibos originais ficarão à disposição dos mantenedores até o dia 30 de outubro de 2020. Poderão conferir cópias através do arquivo PDF na página do facebook Revista Falando de Missões

EXPEDIENTE

Revista FALANDO DE MISSÕES  

Ano VI   nº 10  outubro 2020

Periodicidade Mensal

Uma publicação: Ministério Por Amor Ao Mundo

EDITOR:    Abel Pinheiro Dantas

DISTRIBUIÇÃO :

Para Igrejas Parceiras e Mantenedores

On Line (em arquivo PDF)

Site: falandodemissoes.com

FECHAMENTO DESTA EDIÇÃO: 08 de outubro de 2020

Contato:  Pr. Abel Pinheiro

Fones (83) 9 8726 1745 (whatsapp) / (83) 9 9914 8767

E-mail: poramoraomundo @hotmail.com

SE VOCÊ QUISER DEPOSITAR SUA OFERTA:

 (Por favor, nos comunique)

  • CAIXA : C/Poupança nº 80.027-3   Ag. 1033 –  Ope. 013

      Nome: Abel Pinheiro Dantas

  • Nu Bank : Banco 260 – Nu Pagamentos S.A

           Ag. 001 Conta 8823326-9

        Abel Pinheiro Dantas

  • BANCO SANTANDER: C/C. nº 01087811-5 Ag. 4188

Nome: Abel Pinheiro Dantas

  • BRADESCO : C/C nº 0002277-2 / Ag. 1729

Nome: Abel Pinheiro Dantas

FELIZ DIA DAS CRIANÇAS….

REVISTA MÊS DE SETEMBRO DE 2020

2Coríntios 4.16: Por isso não desanimamos. Embora exteriormente estejamos a desgastar-nos, interiormente estamos sendo renovados dia após dia”.

A Graça e a Paz do nosso Senhor Jesus Cristo, seja com todos. O Domingo da Igreja Perseguida, é um destes dias em que paramos para refletir sobre o que é um ser humano criado à imagem e semelhança de Deus sofrer perseguição por outro ser humano também criado segundo a imagem e semelhança de Deus. E isto, simplesmente por acreditar que existe um ser superior que criou a todos nós.

Segundo a Missão Portas Abertas, são mais de 260 milhões de cristãos perseguidos; a maior parte nos continentes africano e asiático, no Oriente Médio, Península Arábica e boa parte da América Latina.

O que nos faz diferentes neste mundo, nada tem a ver com a realidade que enfrentamos, mas com a maneira como reagimos a cada situação. O apóstolo Paulo que teria todos os motivos para desanimar, pois apesar de toda perseguição que sofria por ser discípulo de Cristo, ele entendia que as realidades externas que experimentamos por piores que seja, não mudam nossas condições internas.

À medida que envelhecemos, nosso corpo vai enfraquecendo-se fisicamente devido ao tempo e as enfermidades. Mas, o que Paulo nos ensina, é que apesar do nosso corpo exterior desgastar-se a cada dia, o nosso homem interior se renova a cada dia sendo transformados de glória em glória na imagem de Cristo.

É difícil para nós entenderemos a profundidade deste texto, se em nosso país podemos cultuar livremente ao Senhor, pregar o Evangelho e mesmo em meio a uma pandemia, temos a liberdade de abrir nossas igrejas.

O DIP – Domingo da Igreja Perseguida, é um evento para que possamos refletir se queremos uma Igreja (onde podemos ir aos domingos reunirmos com os irmãos), ou queremos  ser uma Igreja (onde nos colocamos no lugar do outro, sentindo as dores e colocando o nosso ombro e os nossos bens para servir ao outro).

“Bem como o Filho do homem não veio para ser servido, mas para servir, e para dar a sua vida em resgate de muitos.” Mateus 20:28.

Deus te abençõe.  O EDITOR.

DIP – DOMINGO DA IGREJA PERSEGUIDA 2020

O QUE É O DIP?
O Domingo da Igreja Perseguida (DIP) é um movimento nacional de oração em favor dos cristãos perseguidos idealizado pelo Irmão André, fundador da Portas Abertas. Estima-se que mais de 260 milhões de cristãos enfrentam algum tipo de perseguição. Eles precisam de você e de sua igreja.
COMO PARTICIPAR?

Desde o lançamento do DIP até sua realização, em 13 de setembro, nós disponibilizaremos materiais e vídeos para serem usados na igreja tanto antes como no dia do evento. Para fazer o DIP na sua igreja, você precisa da autorização do pastor. Depois disso, é só se cadastrar e nós lhe ajudaremos a preparar um tempo especial dedicado à Igreja Perseguida durante alguma atividade da igreja, como culto ou escola bíblica dominical.

POR QUE NESTA DATA?

A data varia de ano a ano, pois acontece no domingo depois do Pentecostes. Isso porque Atos 4 marca o início da perseguição aos cristãos logo após a descida do Espírito Santo, com a prisão de Pedro e João. Simbolicamente, então, afirma-se que esse foi o “início” da Igreja Perseguida.

Excepcionalmente este ano, devido a pandemia da COVID-19, a data foi alterada de 7/6 para 13/9.

Se não puder realizar o DIP nesta data, poderá fazê-lo qualquer época do ano. Todos os dias, é dia de orar e contribuir pelos nossos irmãos perseguidos.

TEMA DESTE ANO – CRISTÃOS EX-MUÇULMANOS

Dos 50 países da Lista Mundial da Perseguição 2020, 41 têm a opressão islâmica como tipo de perseguição. Após a queda da Cortina de Ferro, o Irmão André anteviu que o islã se tornaria o maior desafio para a igreja. E, sim, ele acertou. Hoje o extremismo islâmico representa a maior ameaça à igreja. Ameaça que não está restrita ao Oriente Médio, mas que permeia grande parte da África Subsaariana e Sudeste Asiático, bem como todo o Norte da África e Ásia Central. Além disso, se estende também a países que não são majoritariamente muçulmanos, mas têm uma forte presença islâmica, como China e Índia.

A perseguição aos cristãos no Oriente Médio e Norte da África é forte e tem diferentes faces. A primeira e mais comum fonte de perseguição em toda a região é a família do novo convertido. O cristão ex-muçulmano do Marrocos, Aziz*, de 33 anos, explica: “As pessoas são expulsas da família por causa da conversão. Elas não têm seus direitos respeitados. Algumas são forçadas pela família a se divorciar e outras são presas dentro de casa. É mais difícil para as mulheres, pois culturalmente meninos e homens têm mais liberdade e direitos, então estão em uma posição melhor que elas. As mulheres, às vezes, são forçadas a se casar com um muçulmano”. Aziz explica que no âmbito familiar os convertidos enfrentam violência e são agredidos, e há a constante pressão da família dizendo que o que estão fazendo é errado.

O Estado Islâmico (EI) pode estar sendo derrotado no Oriente Médio lentamente, mas o movimento está apenas mudando de endereço: indo do Oriente Médio para o Extremo Oriente, onde, longe da vista da grande mídia, está construindo novas fortalezas. Paquistão, Afeganistão, Malásia, Sul das Filipinas e até mesmo a Ásia Central e o noroeste da China são ameaçados pela ideologia extremista islâmica e têm seus próprios afiliados do EI.

Existe um movimento muçulmano fundamentalista que quer implementar a sharia (conjunto de leis islâmicas) e varrer os cristãos do continente asiático. De certa forma, a igreja foi condenada à morte, mas não com uma bala, uma cadeira elétrica ou uma forca. O método deles é bem mais cruel, pois é uma morte lenta, feita aos poucos – um ataque a uma igreja aqui, uma mulher sequestrada ali, uma criança abusada de cada vez, um mártir morto de cada vez.

Em meio a tudo isso, há uma igreja de cristãos ex-muçulmanos; uma igreja apaixonada, mas secreta e silenciada. É por eles que queremos clamar e é com eles que queremos nos envolver mais profundamente nessa caminhada do Domingo da Igreja Perseguida 2020. Vem com a gente?

*Nome alterado por segurança.

MEAP – Missão Evangélica de Assistência aos Pescadores

Enquanto estávamos editando a nossa Revista, recebemos a informação do falecimento da Missionária Frida, da MEAP- Amapá, ocorrido no último domingo, dia 06 de setembro, vítima de uma parada cardio-respiratória (segundo informações da MEAP). Ao mesmo tempo que nos colocamos em pesar ao lado do seu esposo, familiares, amigos e conhecidos, fazemos nossas as palavras da Missão Evangélica de Assistência aos Pescadores:

“Nossa Missionária FRIDA SANTANA foi para a casa do Pai. Deixa esposo, pais, companheiros de ministério, tantas crianças e amigos… Viveu entre nós, 24 anos.

Pouco tempo? Sim, sob nossa ótica, como calculamos o tempo.

Mas o Kairós, o tempo de Deus, é medido pelos seus propósitos cumpridos. Por isso, podemos testemunhar que Frida viveu a vida, intensamente, com excelência, para a Glória do Senhor.

* Entregou sua vida a Cristo aos 13 anos de idade.

* Cedo compreendeu seu chamado para a obra missionária.

* Conseguiu se capacitar em educação, terminando um curso no Rio de Janeiro.

* Foi convidada a permanecer no RJ, com despesas pagas, mas recusou e, depois, contou o motivo: porque sabia da urgência de pregar o evangelho para o seu povo, no arquipélago de Bailique/AP.

* Cuidou de tantas crianças, com carinho, aconselhamento bíblico e ensino.

* Casou, em novembro do ano passado,  com Ailen, também missionário.

* Plantou uma igreja, juntamente com os seus pares, na comunidade de Freguesia.

* Construiu um templo e teve a alegria de vê-lo inaugurado, logo depois da flexibilização da pandemia, este mês.

Choramos a ausência sentida, a dor do esposo e dos pais, o sofrimento da equipe missionária no Amapá, a nossa dor…

“A esperança de Frida, e nossa também, virou realidade. A principal esperança dela não era do dia de amanhã aqui na terra, mas era do dia de amanhã junto com o Pai. E isso virou verdade e fato em sua vida”.

Pr Márcio Garcia – fundador da MEAP.

RELATÓRIO FINANCEIRO – Mês de agosto  2020

I – MISSIONÁRIOS MANTENEDORES:

1. ComEvang do MPAOM…R$ 100,00

2. C. ODONT Dr Mário Sérgio… R$  60,00

3. Ednalva Andrade – 2ª IgBatMang…. R$  15,00

4. ESC CONT Onezildo Martins R$ 100,00

5. FARMÁCIAS KIFARMA…R$ 200,00

6. GRANJA LAZER ..R$ 100,00

7. IgBatIndCristã– Pr. Eli..R$ 100,00

8. JFrancisco (Pr Kito)… R$ 200,00

9. Pedro Anízio – IgBatIndCristã..R$ 200,00

10.Raimunda e Família – IgBatIndCristã…R$ 200,00

11. Risolene, Irª  – 2ªIg Bat de Mang….. R$   50,00

12. Rosemayre Luna, Irª –.R$   50,00

13. Zenildo, Zilda e Josilene Cavalcante-2ªIgBatMang.R$   50,00

TOTAL DAS OFERTAS…..R$ 1.425,00

II – DISTRIBUIÇÃO:

Miss. J. B. (Neidinha)… R$ 100,00

Miss. S. & Xica (África)… R$ 300,00

Miss. Eunice (Uruguai)..R$ 200,00

Miss. Noelma (Ciganos)…R$ 100,00

Portas Abertas (Cristãos Perseguidos)..R$  71,00

MSF (Méd Sem Fronteiras)…R$  84,00

MEAP (MissãoEvAssisPescadores)…R$ 100,00

ProgFal Missões” (R$ 350)+Ed/Grav(R$ 50)..R$ 400,00

TOTAL DAS DESPESAS ….R$ 1.355,00

III – MOVIMENTAÇÃO FINANCEIRA:

Saldo Anterior (+) ….R$    100,11                                                      

Ofertas ( + )…..R$ 1.425,00

Despesas ( – ) …R$ 1.355,00

SALDO ATUAL ….R$ 170,11

J. Pessoa, 31 de agosto de 2020

Pr. ABEL PINHEIRO DANTAS Pres do MPAOM

OBSERVAÇÃO: Os recibos originais ficarão à disposição dos mantenedores até o dia 30 de setembro de 2020. Poderão conferir cópias através do arquivo PDF na página do facebook Revista Falando de Missões

EXPEDIENTE

Revista FALANDO DE MISSÕES  

Ano VI   nº 9  setembro 2020

Periodicidade Mensal

Uma publicação: Ministério Por Amor Ao Mundo

EDITOR:    Abel Pinheiro Dantas

DISTRIBUIÇÃO :

Para Igrejas Parceiras e Mantenedores

On Line (em arquivo PDF)

Site: falandodemissoes.com

FECHAMENTO DESTA EDIÇÃO: 09 de setembro de 2020

Contato:  Pr. Abel Pinheiro

Fones (83) 9 8726 1745 (whatsapp) (83) 9 9914 8767

E-mail:       poramoraomundo @hotmail.com

SE VOCÊ QUISER DEPOSITAR SUA OFERTA:

 (Por favor, nos comunique)

  • CAIXA : C/Poupança nº 80.027-3   Ag. 1033 –  Ope. 013

Abel Pinheiro Dantas

  • Nu Bank : Banco 260 – Nu Pagamentos S.A

Ag. 001 Conta 8823326-9

Abel Pinheiro Dantas

  • BANCO SANTANDER:  C/C. nº 01087811-5 Ag. 4188

Abel Pinheiro Dantas

  • BRADESCO : C/C nº 0002277-2 / Ag. 1729

 Abel Pinheiro Dantas

MÊS DE AGOSTO 2020

EDITORIAL

Marcos 1.38: Jesus respondeu: “Vamos para outro lugar, para os povoados vizinhos, para que também lá eu pregue. Foi para isso que eu vim”.    

A Graça e a Paz do nosso Senhor Jesus Cristo, seja com todos. Jesus falou isto logo após os seus discípulos lhes terem dito que havia várias pessoas o procurando em busca de curas e outros milagres. Ao dar esta resposta, o Senhor Jesus estava colocando foco naquilo que realmente Ele veio fazer, ou seja, anunciar as boas novas de salvação e que o seu maior milagre seria trazer cura espiritual para a doença do pecado. O propósito de Jesus, não era que o procurassem, mas que o seguissem.

O MINISTÉRIO POR AMOR AO MUNDO, completa “a maior idade” – 18 anos. Que bom, que privilégio podermos chegar a este tempo, onde podemos olhar para trás e ver o que Deus fez com nossas vidas e através de nossas vidas. Isto porque, ao entendermos que somos seguidores do Mestre, ouvimos a voz do Senhor quando Ele disse: “A quem enviarei?” E respondemos: “Eis-me aqui Senhor, envia-me a mim” (Is 6.8). Esta é uma atitude corajosa, mas não uma tarefa difícil se entendermos que quem está conosco é maior do que o que está no mundo (1Jo 4) e Ele prometeu que estaria conosco todos os dias até o final dos tempos (Mt 28.20).

Durante esta caminhada, pudemos testemunhar de empresas que prosperaram, irmãos que foram promovidos em seus empregos, alguns que criaram seus próprios ministérios, igrejas que foram despertadas para missões, sem contar os muitos livramentos que o Senhor tem nos dado e isto, não é mérito nosso, ou porque somos mantenedores do MPAOM; mas porque “as misericórdias do Senhor renova-se a cada manhã” e o mínimo que podemos fazer é dizer para o nosso Deus o quanto somos gratos pela salvação, pelo cuidado Dele conosco e por Ele nos dar a honra e o privilégio de sermos participantes da Sua Obra.

Obrigado Senhor, continue nos abençoando e que todos os nossos bens e recursos estejam ao Seu dispor, nos dando sabedoria onde aplicá-los e que sejam usados para o louvor, a honra e a glória do Senhor Jesus. Tenho certeza que esta é a oração de cada mantenedor do Ministério Por Amor Ao Mundo.

Deus te abençõe.            O EDITOR.

MINISTÉRIO POR AMOR AO MUNDO – 18 ANOS

Todos os anos nesta época do ano, realizamos a nossa Conferência Missionária. Infelizmente este ano , não estar sendo possível devido a pandemia e a necessidade de permanecermos isolados. Aqui em nosso estado da Paraíba, já temos quase 90.000 mil casos confirmados, quase 2.000 mortos (até o dia 07 de agosto/20) e uma média diária de mais de 20 mortes diariamente. Por esta razão, nossas atividades de culto estão suspensas desde o dia 15 de março… mas não deixamos nenhum dia de ser Igreja.

A nossa Comunidade Evangélica estar disponibilizando através das redes sociais, Estudos Bíblicos e Cultos On Line, além de estar prestando assistência social de ajuda financeira a pessoas do grupo de risco que precisaram afastar-se dos seus trabalhos.

O Ministério Por Amor Ao Mundo tem feito parcerias com Missionários que estão distribuindo cestas básicas para famílias carentes, além de continuar contribuindo normalmente com as agencias missionárias parceiras e missionários adotados pelo nosso Ministério.

O Programa “Falando de Missões”, que completou 17 anos no ar, mês passado, continua sendo apresentado (gravado) aos sábados ás 15 horas, pela Rádio CPAD FM 96,1 pelo site www.radiocpadfm.com.br e através das redes sociais e aplicativo Radio CPAD FM.

O MPAOM ultrapassou no mês de junho p.p. a marca dos Duzentos mil reais investidos na Obra Missionária nestes 18 anos. Foram R$ 200.391,20.

CONHECENDO O MINISTÉRIO POR AMOR AO MUNDO:

Somos um Ministério Indenominacional que visa levar ao conhecimento de cada tribo, povo, nação ou língua o EVANGELHO DO SENHOR JESUS CRISTO.”

DECLARAÇÃO DE VISÃO: “Motivar, Mobilizar e Educar a Igreja para a Obra Missionária Mundial, através da criação de conselhos missionários, palestras e reuniões com informações dos campos.”

DECLARAÇÃO DE PROPÓSITOS: “O MPAOM- MINISTÉRIO POR AMOR AO MUNDO existe para Glorificar a Deus, Orando, Contribuindo e Enviando missionários para todas as nações”.

NOSSA SITUAÇÃO ATUAL

* 16 Missionários adotados (Alguns somente em Oração, devido falta de recursos).

* Parceria com 06 Agências Missionárias

* Programa “Falando de Missões : 17 anos no Ar, mais de 750 programas.

* 68 edições da Revista “Falando de Missões”

* 07 Projetos Missionários

* 08 Conferências Missionárias

* 06 Patrocinadores e média de 10 Missionários Mantenedores mensais.

* 03 Igrejas Parceiras

* Contamos em nossa Comunidade Evangélica, com 13 pessoas adultas e 07 crianças.

* (Em situação NORMAL), realizamos mensalmente com nossa Comunidade Evangélica, o Projeto Culto nos Lares, Vigília de Oração, e Culto de Missões com a participação das Igrejas parceiras, Missionários convidados, Mantenedores e visitantes convidados de outras denominações.

Realizamos também anualmente o DIP – Domingo da Igreja Perseguida, e o Shockwave (Movimento de Oração em pró da Igreja Perseguida) em parceria com a Missão Portas Abertas.

RETROSPECTO MISSIONÁRIO 2019/2020

Neste período que compreendeu o 17º ano do Ministério Por Amor Ao Mundo, investimos entre outras, nas seguintes áreas:

– VIII Conferência Missionária: R$ 935,00

– Projeto Alcançando os Não Alcançados (Missões Transculturais):R$ 3.280,00

– MSF – Médicos Sem Fronteiras: R$ 420,00

– Missão Portas Abertas: R$ 527,50

– MEAP (Povos Ribeirinhos):R$ 100,00

– Projeto de Capelania Hospitalar: R$ 100,00

– Plantação de Igrejas: R$ 800,00

– Evangelização e Ação Social: R$ 1.000,00

INVESTIMENTOS EM MISSÕES:

– Últimos 12 meses (ago/19 a jul/20): R$ 15.728,50

– Ano de 2019: R$ 16.083,50

– Média Mensal ano de 2019: R$ 1.340,29

– Ano de 2020 (jan a jul/20): R$ 8.313,00   

– Média Mensal durante este ano: R$ 1.187,57

Adotamos a partir deste mês a Miss. Eunice Salvador da Iglesia Cristiana Evangelica Misionera na cidade de Treinta y Tres no Uruguai.

A Miss. Eunice aqui no Brasil, trabalhou com o Ministério de Plantação de Igrejas, esteve na Paraíba durante 10 anos na maior parte na PIB/Cabedelo (Pr. Ednaldo Tavares). Apoiada por esta igreja, trabalhou vários anos no Outeiro de Miranda/Lucena, onde hoje existe uma Igreja Batista, fruto deste trabalho.

Ao ter contato com a líder do Movimento Desperta Débora, uma argentina que vive no Canadá, foi encarregada de implantar o Desperta Débora no Uruguai.

A cultura local não permitia que membros de uma denominação falasse ou visitasse outra e isto dificultava o trabalho, mas ela relata como solucionou este problema:

Descobri, passando pela praça principal que aos domingos, havia ali uma fila para as pessoas visitarem os presos (a cadeia fica no centro da cidade, na praça principal. Comecei a ir ali aos domingos com outra irmã da igreja, para falar sobre ‘orar por seus presos’, não falávamos nomes de igreja… só queríamos orar pelos que estavam ali dentro… Resultado? Ninguém aceitava e ainda jogavam os folhetos que distribuíamos… Até que Deus tocou no meu coração, e fui falar com o diretor do presídio, que me autorizou a realizar um projeto evangelístico com os próprios presos, através de aulas de artesanato.

E assim ficamos em 2017 e 2018. Foi muito bom. Em 2019, mudou a direção e cortaram meu espaço de trabalho, mas ainda me permitiam entrar toda semana para conversar com os presos. Agora em 2020, devido a pandemia, estar tudo parado”.

Paralelamente, a isto, a Miss. Eunice conseguiu com um pastor de Montevideo o apoio para falar com mulheres de várias igrejas e ali o Desperta Débora já tem várias igrejas participantes.

Atualmente, a Miss. Eunice está com um projeto de produzir mantas e cachecóis para doar a crianças e idosos em situação de vulnerabilidade. O frio nesta época no Uruguai chega a 1 e 2 graus abaixo de zero.

Algumas fotos do projeto:

OBSERVAÇÕES: –

Para contribuir mensalmente com todos os nossos Missionários adotados, precisaríamos de uma receita de cerca de R$ 4.200,00. Por isso, damos prioridade ao Programa Falando de Missões, que tem 06 patrocinadores; à Revista que serve para nossa Prestação de Contas e Informações Missionárias; aos Missionários que sabemos terem poucos mantenedores; à Missão Médicos Sem Fronteiras, Portas Abertas, Missão Evangélica de Assistência aos Pescadores, etc. Os Missionários a quem não enviamos ofertas, nós oramos em nossos Cultos da Igreja, nos Cultos de Missões, nas Vigílias de Oração e enviamos pedidos de orações específicas pelas redes sociais. O Ministério Por Amor Ao Mundo, tem o compromisso de orar e buscar a vontade de Deus na aplicação de todos os recursos que chega às nossas mãos, ao mesmo tempo que ora pelas igrejas e parceiros mantenedores agradecendo a todos a confiança em nós depositada. Que o Senhor continue nos abençoando com a honra de estarmos envolvidos na Grande Comissão de levar o Seu Evangelho a todas às nações.

PARA QUEM IREMOS?

João 6.68 “Senhor, para quem iremos? Tu tens as palavras de vida eterna”.

Não importa muito o que possamos pensar sobre o coronavírus, mas importa muito o que Deus pensa, e Ele não está em silencio sobre o que pensa.

Em 1 Pedro está escrito que a Palavra de Deus “permanece para sempre”. Jesus disse que ela não pode falhar e o Salmista escreve que o que Deus diz é verdadeiro e justo.

Examinando as Escrituras, podemos crer que a Palavra de Deus é um fundamento sólido em que podemos confiar e que ao fazermos isto, estaremos construindo nossa casa sobre uma rocha e não sobre a areia.

Isaías nos diz que “ele é maravilhoso em conselho e grande em sabedoria” e o salmista completa dizendo que “o seu entendimento não se pode medir”. Em certo momento de grande provação, o profeta Jeremias exclamou: “Quando as tuas palavras foram encontradas eu as comi; elas são a minha alegria e o meu júbilo, pois pertenço a ti, Senhor Deus dos Exércitos.”

Precisamos aprender o segredo de “entristecidos, mas sempre alegres”, que o apóstolo Paulo nos fala em 2 Coríntios 6.10.

E Jonh Piper encerra esta parte dizendo que este segredo é “saber que a soberania de Deus que poderia parar a crise do coronavírus, ainda que  não o faça, é a mesma soberania que sustenta a alma durante esse tempo. De fato, mais do que sustenta, adoça com a esperança de que os propósitos de Deus são bondosos, mesmo na morte – para aqueles que confiam nele”.

(Baseado no Cap. II da Parte I do livro Coronavírus e Cristo, de John Piper, Editora Fiel)

RELATÓRIO FINANCEIRO – Mês de julho  2020

I – MISSIONÁRIOS MANTENEDORES:

1. COM EVANGÉLICA do MPAOM..R$ 100,00

2. CONS ODONT Dr Mário Sérgio..R$  60,00

3. Ednalva Andrade – 2ª IgBatMang…R$  15,00

4. ESC CONTAB Onezildo Martins…R$  50,00

5. FARMÁCIAS KIFARMA…R$ 200,00

6. GRANJA LAZER…R$ 100,00

7. IG BAT IND CRISTÃ BR…R$ 100,00

8. J. Francisco (Pr Kito)… R$ 200,00

9. Júlia, Pra (A. de Deus)…R$  20,00

10. Of. Não Identif.– 2ªIgBatMang…R$  20,00

11. Pedro Anízio, Ir …R$ 200,00

12. Risolene, Irª  … R$   50,00

13. Rosemayre Luna, Irª …R$   50,00

14. STCNe…………..R$   50,00

15. Zenildo, Zilda e Josilene…R$   50,00

TOTAL DAS OFERTAS….R$ 1.265,00

II – DISTRIBUIÇÃO:

Miss. J. B. (Neidinha)…R$ 100,00

Miss. Eunice (Uruguai)..R$ 200,00

Miss. Erlandy Santos…R$ 200,00

M.Portas Abertas …R$  96,50

MSF(Médicos Sem Fronteiras):R$  84,00

Ajuda Humanitária…R$ 100,00

Progr Fal de Missões” (R$ 350)+Ed/Grav(R$ 50):R$ 400,00

TOTAL DAS DESPESAS …..R$ 1.180,50

III – MOVIMENTAÇÃO FINANCEIRA:

Saldo Anterior (+) ….R$ 15,61

Ofertas ( + ) …R$ 1.265,00

Despesas ( – ) …R$ 1.180,50

SALDO ATUAL…R$ 100,11

J. Pessoa, 31 de julho de 2020

Pr. ABEL PINHEIRO DANTAS – Pres. do MPAOM

FOTOS de Alimentos Adquiridos na África com oferta enviada pelo Ministério Por Amor Ao Mundo (Miss. Erlandy) – Veja no arquivo em PDF na Página do Facebook: Revista Falando de Missões.

OBSERVAÇÃO:
Os recibos originais ficarão à disposição dos mantenedores até o dia 30 de agosto de 2020. Poderão conferir cópias através do arquivo PDF na página do facebook Revista Falando de Missões.
 

EXPEDIENTE

Revista FALANDO DE MISSÕES

Ano VI   nº 8    agosto 2020

Periodicidade Mensal

Uma publicação:

Ministério Por Amor Ao Mundo

EDITOR:    Abel Pinheiro Dantas

DISTRIBUIÇÃO : On Line (em arquivo PDF)

Site: falandodemissoes.com

FECHAMENTO DESTA EDIÇÃO: 08 de agosto de 2020

Contato:  Pr. Abel Pinheiro

Fones (83) 9 8726 1745 (whatsapp) – (83) 9 9914 8767

E-mail:       poramoraomundo @hotmail.com

SE VOCÊ QUISER DEPOSITAR SUA OFERTA:

 (Por favor, nos comunique)

  • CAIXA : C/Poupança nº 80.027-3   Ag. 1033 –  Ope. 013

 Nome: Abel Pinheiro Dantas

  • Nu Bank : Banco 360 – Nu Pagamentos S.A

Ag. 001 Conta 8823326-9- Abel Pinheiro Dantas

  • BANCO SANTANDER: C/C. nº 01087811-5 Ag. 4188

Nome: Abel Pinheiro Dantas

  • BRADESCO : C/C nº 0002277-2 / Ag. 1729

Nome: Abel Pinheiro Dantas

“Acredito que, “passadas estas coisas”, buscaremos nos reunir,  fisicamente, em torno do pão e do vinho. E esses encontros, talvez limitados por muitas regras de afastamento, nos serão fonte de grande alegria. Encontraremos o caminho de volta; como a tartaruga que, tantos anos depois, encontra a praia de onde saiu.” – Rubem Amorese, Pastor da Igreja Presbiteriana do Planalto, em Brasília.

“Como são felizes os que habitam em tua casa; louvam-te sem cessar!” Sl 84.4

MÊS DE JULHO 2020

EDITORIAL

Romanos 5.3-5: “…mas também nos gloriamos nas tribulações, porque sabemos que a tribulação produz perseverança; a perseverança, um caráter aprovado; e o caráter aprovado, esperança.

E a esperança não nos decepciona, porque Deus derramou seu amor em nossos corações, por meio do Espírito Santo que ele nos concedeu.”

Vimos na nossa Revista anterior, como a Obra Missionária continua mesmo em meio à pandemia. Em Efésios 3.10-11, Paulo nos mostra que é por meio da igreja que a multiforme sabedoria de Deus se torna conhecida aos governantes e autoridades nos reinos celestiais, de acordo com o propósito de Deus realizado através de Jesus Cristo.

Com a pandemia, Deus nos desafia para ao invés de fazermos

a missão, sermos a missão. Deus nos chama para que através de nossas vidas, Deus possa demonstrar sua glória, sua santidade e justiça por meio de nós.

Como vivemos, com quem nos relacionamos, como nos comportamos em relação à pandemia, deixando que o Senhorio de Cristo reine sobre nós, faz com que levemos de forma misteriosa a presença de Deus para a sociedade.

Tenho dito que isolamento social é um ato de amor ao próximo, pois isto além de evitar que sejamos infectados, também evita que transmitamos a doença para outras pessoas. E ao ajudarmos pessoas com contribuições financeiras, com mensagens de encorajamento e esperança, através das redes sociais, estaremos mostrando quem Jesus é, para nossos vizinhos, para a sociedade e para as pessoas com quem temos contato.

Pregamos em nossos púlpitos, que a palavra Igreja significa “chamados para fora”.  Então a hora é chegada de mostrarmos que “não pregamos a nós mesmos, mas a Jesus Cristo, o Senhor… e que Ele brilhou em nossos corações para iluminação da glória de Deus na face de Cristo… para que a graça, que está alcançando um número cada vez maior de pessoas, faça que transbordem as ações de graças para a glória de Deus.

“Por isso não desanimamos. […]pois os nossos sofrimentos leves e momentâneos estão produzindo para nós uma glória eterna que pesa mais do que todos eles. Assim, fixamos os olhos, não naquilo que se vê, mas no que não se vê, pois o que se vê é transitório, mas o que não se vê é eterno.” (2 Co 4)

Jesus falou em João 17.3: “E a vida eterna é esta: que te conheçam a ti, o único Deus verdadeiro, e a Jesus Cristo, a quem enviaste” Bijoy Koshy, indiano, e diretor internacional da missão Interserve, diz que “o entendimento de que missão é principalmente a revelação de quem Deus é para as nações muda como vamos “fazer” missões. Não se trata mais apenas de afirmar verbalmente um conjunto de verdades. Trata-se de demonstrar tanto o que Deus fez como quem ele é. Seu caráter, sua natureza, seu poder, sua soberania precisam ser revelados ao mundo. E ele usará todas as áreas da nossa vida para fazer isso.”

Deus te abençõe.                     O EDITOR

A ESPERANÇA NÃO NOS DECEPCIONA

Esperança é acreditar que algo é possível, mesmo quando há indicações do contrário. É uma confiança de que algo bom vai acontecer.

O mundo está passando por uma pandemia, e as pessoas andam ansiosas e preocupadas pelo fato de viverem isoladas, até que os cientistas descubram uma vacina ou uma medicação eficaz para o coronavirus.

O desafio para a igreja do Senhor, é buscar na sua Palavra uma orientação de como nos guiar e proceder em um momento de informações contraditórias em que na realidade, ninguém sabe bem o que fazer.

O Salmo 91.9,10 diz: Se você fizer do Altíssimo o seu refúgio, nenhum mal o atingirá, desgraça alguma chegará à sua tenda.

Exôdo 15.26 diz: “Se vocês derem atenção ao Senhor, ao seu Deus e fizerem o que ele aprova, se derem ouvidos aos seus mandamentos e obedecerem a todos os seus decretos, não trarei sobre vocês nenhuma das doenças que eu trouxe sobre os egípcios, pois eu sou o Senhor que os cura”.

Em João 16.33, o Senhor Jesus nos diz que teremos aflições, mas que tivéssemos bom ânimo, pois Ele venceu o mundo.

Temos vários desafios: o medo, a ansiedade, a confusão, a doença. Mas diante de tudo isto, precisamos ter bom ânimo, precisamos nos lembrar das palavras de Jesus, de que Ele venceu o mundo e prometeu que estaria conosco todos os dias até a consumação dos séculos.

Distanciamento social não significa abandonar as pessoas à sua própria sorte. Somos membros de uma mesma família e precisamos cuidar uns dos outros. Podemos orar pelos profissionais de saúde que não podem ficar isolados, orar pelos entregadores de comida, pelos trabalhadores em supermercados, pelos motoristas de caminhão que estão transportando os alimentos e medicamentos para quem deles necessita.

Precisamos orar pelos cientistas para que encontrem uma solução rápida para esta pandemia, e que eles não sejam infectados.

Precisamos orar pelos cristãos que estão nos países que além da pandemia, têm que lidar com a perseguição.

Segundo informações da missão Portas Abertas, em alguns países da Ásia vários cristãos perseguidos perderam a fonte de renda por causa do isolamento social e estão enfrentando diversas necessidades, como a falta de alimentos. Estes cristãos frequentemente, não recebem ajuda de familiares ou da comunidade ou do governo por causa da sua fé em Cristo.

Na Índia, a população foi proibida de andar pelas ruas e trabalhar, para que milhões de pessoas não fiquem doentes ao mesmo tempo e morram sem assistência médica adequada.

Budistas estão dispostos a ajudar, desde que eles se tornem hindus e isto torna a igreja indiana mais vulnerável.

A boa noticia, é que as igrejas locais, mesmo as secretas estão distribuindo tudo que podem para ajudar cristãos afetados pela pandemia. As equipes locais da Portas Abertas estão se mobilizando e fazendo todo o possível para alcançar, encorajar e fortalecer a fé da igreja em países afetados, tanto em ajuda prática quanto em apoio espiritual.

Quem puder ajudar, pode informar-se no site portasabertas.org.br.

Quando a Bíblia nos diz que Jesus Cristo é o mesmo ontem, hoje e sempre, é que não precisamos de nada novo a não ser entender que dEle depende o sentido da vida, a experiencia de comunidade e o sonho da esperança.

Hebreus 13. 9 diz  “Não se deixem levar pelos diversos ensinos estranhos. É bom que o nosso coração seja fortalecido pela graça, e não por alimentos cerimoniais, os quais não têm valor para aqueles que os comem.”

Devemos nos desviar de líderes que não nos levem aos pés de Cristo e da cruz.

Ainda continuando em Hebreus 13: “14 Pois não temos aqui nenhuma cidade permanente, mas buscamos a que há de vir.

15 Por meio de Jesus, portanto, ofereçamos continuamente a Deus um sacrifício de louvor, que é fruto de lábios que confessam o seu nome.

16 Não se esqueçam de fazer o bem e de repartir com os outros o que vocês têm, pois de tais sacrifícios Deus se agrada.”

*Comentando este texto, o Pr Valdir Steuernagel escreve: As raízes da nossa fé crescem para cima e de lá pautam rumos de vida e canais de esperança.[…] Enquanto afirmamos nossa cidadania celestial e buscamos por uma sociedade que seja menos injusta, desigual e discriminatória, nós exercemos o amor fraternal, praticamos a hospitalidade, nos lembramos dos presos, dos que sofrem maus-tratos e vivemos o matrimônio com dignidade, pois disso Deus se agrada. Vivemos assim sabendo que temos uma missão a cumprir e um nome a pronunciar: Jesus. No mundo da pandemia, e da pós-pandemia, faremos todo o possível para nos posicionar em sintonia com o nosso tempo e faremos todo o bem possível e necessário, conscientes de que o nosso compromisso é com o reino de Deus e com a sua justiça. Como fizeram os “santos de ontem”, assim vivemos hoje, comprometidos com um testemunho que sempre dirá o mesmo: “Jesus Cristo é o mesmo ontem, hoje e para sempre!”.

*Texto publicado pelo Pr Valdir, para a revista Ultimato, edição 384).

O SENHOR REINA – Parte 2

Tiago 4.15 “Se o Senhor quiser, viveremos e faremos isto ou aquilo”.

Algumas pessoas que creem em Deus, acreditam que a nossa esperança está apenas no futuro quando estaremos eternamente reinando com Cristo.

Mas onde está Deus agora, durante esta pandemia de coronavírus?

Romanos 8.31 diz: “Que diremos, pois, diante dessas coisas? Se Deus é por nós, quem será contra nós?

Quais coisas Paulo se refere? Antes, ele fala que Cristo nos libertou (v. 2), que o Espírito de Deus habita em nós (v. 9), que nossos corpos serão vivificados, ressuscitados (v. 11), que somos filhos de Deus e portanto herdeiros (v. 14-17), que os sofrimentos do tempo presente não se podem comparar com a glória que desfrutaremos na eternidade (v. 18), que o Espírito Santo intercede por nós (v. 26), que todas as coisas cooperam para o bem daqueles que amam a Deus (v. 28) e que Deus nos elegeu  para sermos conforme a imagem de Seu Filho (v. 29).

Quando Tiago fala, se o Senhor quiser, ele estar dizendo que o Senhor está conosco em todos os momentos de nossa vida, e que Ele é quem decide sobre nossos planos. Se estamos vivos, este é o momento de nos sentirmos bem, porque o “estarmos bem”, pertence ao Senhor.

Deveremos nos sentir bem, porque temos os nossos pés firmados sobre uma Rocha, que embora venha os ventos e as tempestades, não conseguirá nos derrubar. John Piper declara no final deste primeiro capítulo: “Deus em Cristo é a Rocha neste momento da história” e ele nos convida a se juntar a ele na Rocha sólida, Jesus Cristo.

É nesta Rocha, que precisamos colocar os nossos pés: Entregando, Confiando e Esperando no Senhor.

(Baseado no Cap. I da Parte I do livro Coronavírus e Cristo, de John Piper, Editora Fiel)

RELATÓRIO FINANCEIRO – Mês de junho  2020

I – MISSIONÁRIOS MANTENEDORES:

1. COM EVANGÉLICA MPAOM..R$ 100,00

2. CONS ODONT Dr Mário Sérgio.. R$ 60,00

3. Ednalva Andrade…R$  15,00

4. FARMÁCIAS KIFARMA…R$ 200,00

5. IG BAT IND CRISTÃ BRR$ 100,00

6. J Francisco (Pr Kito)…R$ 200,00

7. Júlia, Pra (A. de Deus)… R$  30,00

8. Lindinalva,Irª … R$  20,00

9. Pedro Anízio, Ir …R$ 200,00

10. Risolene, Irª R$   50,00

11. Rosemayre Luna, Irª…R$   50,00

12.STCNe(PFM)…R$   50,00

13. Zenildo/Zilda/Josilene Cavalcante:R$   50,00

TOTAL DAS OFERTAS…R$ 1.125,00

II – DISTRIBUIÇÃO:

Miss. J. Brito (Neidinha)…R$ 100,00

Miss. Sérgio&Xica (África)…R$ 150,00

Miss. Noelma … R$ 100,00

Miss. Erlandy Santos….R$ 100,00

 M.Portas Abertas …R$  98,00

MEAP (Assist aos Pescadores)…R$ 100,00

Progr Fal de Missões” (R$ 350)+Ed/Grav(R$ 50)…R$ 400,00

Rev Fal de Missões/RefilPapel-Parc 3/3-CartCrédito…R$ 122,00

TOTAL DAS DESPESAS …R$ 1.170,00

III – MOVIMENTAÇÃO FINANCEIRA:

Saldo Anterior (+)…R$      60,61                            

Total das Ofertas ( + ) …R$ 1.125,00

Total das Despesas ( – )….R$ 1.170,00

SALDO ATUAL …..R$ 15,61

J. Pessoa, 30 de junho de 2020

Pr. ABEL PINHEIRO DANTAS-Pres. do MPAOM

OBSERVAÇÃO:

Os recibos originais ficarão à disposição dos mantenedores até o dia 30 de julho de 2020. Poderão conferir cópias através do     arquivo PDF na página do facebook Revista Falando de Missões.

EXPEDIENTE

Revista FALANDO DE MISSÕES  – Ano VI,  nº 7,  julho 2020

Periodicidade Mensal

Uma publicação: Ministério Por Amor Ao Mundo

EDITOR: Abel Pinheiro Dantas   

DISTRIBUIÇÃO : On Line (em arquivo PDF)

Site: falandodemissoes.com  

FECHAMENTO DESTA EDIÇÃO: 04 de julho de 2020

Contato:  Pr. Abel Pinheiro

Fones (83) 9 8726 1745 (whatsapp) (83) 9 9914 8767

E-mail: poramoraomundo @hotmail.com

SE VOCÊ QUISER DEPOSITAR SUA OFERTA:

 (Por favor, nos comunique)

  • CAIXA : C/Poupança nº 80.027-3   Ag. 1033 –  Ope. 013

    Nome: Abel Pinheiro Dantas

  • Nu Bank : Banco 360 – Nu Pagamentos S.A

             Ag. 001 Conta 8823326-9/Abel Pinheiro Dantas

  • BANCO SANTANDER:  C/C. nº 01087811-5 Ag. 4188

 Nome: Abel Pinheiro Dantas

  • BRADESCO : C/C nº 0002277-2 / Ag. 1729

Nome: Abel Pinheiro Dantas

Deus manda que transformemos cada verdade aprendida sobre ele em assunto de meditação diante dele, conduzindo-nos à oração e ao louvor ao Senhor.”

J. I. Packer, teólogo e escritor

MÊS DE JUNHO 2020

undefined

EDITORIAL

2 Tm 4.2-5: “…Pregue a palavra, esteja preparado a tempo e fora de tempo, repreenda, corrija, exorte com toda a paciência e doutrina.Pois virá o tempo em que não suportarão a sã doutrina; pelo contrário, sentindo coceira nos ouvidos, segundo os seus próprios desejos juntarão mestres para si mesmos.Eles se recusarão a dar ouvidos à verdade, voltando-se para os mitos. Você, porém, seja sóbrio em tudo, suporte os sofrimentos, faça a obra de um evangelista, cumpra plenamente o seu ministério.

A Igreja do Senhor Jesus Cristo, tem um grande desafio, nestes novos tempos…mostrar em quem tem crido. Quem está envolvido com Missões, continua trabalhando, seguindo o conselho do Mestre: “Enquanto é dia, precisamos realizar a obra daquele que me enviou. A noite se aproxima, quando ninguém pode trabalhar.” O verdadeiro Evangelho precisa ser pregado, a Igreja precisa ouvir o que o Espírito fala para os últimos dias e é necessário que confiemos no Senhor para a realização de tão nobre tarefa.

Nesta edição, mostraremos um pouco como algumas agências missionárias, estão se comportando diante da crise. A OBRA MISSIONÁRIA EM TEMPOS DE COVID-19 é o tema da nossa Revista este mês.

A nossa Revista está menor, neste formato on line, mas faremos o possível para trazer ao povo de Deus o que realmente interessa. Aproveite, leia, divulgue e prossigamos olhando para o alvo: Jesus Cristo. Não esqueça de seguir o nosso site falandodemissoes.com – Lá você encontra os nossos vídeos, e as Revistas On line desde o mês de abril deste ano.

Deus te abençõe.      O EDITOR

A OBRA MISSIONÁRIA EM TEMPOS DE COVID-19

MÉDICOS SEM FRONTEIRAS – msf.org.br

O impacto da pandemia de COVID-19 foi sentido em cada um dos aproximadamente 450 projetos de Médicos Sem Fronteiras (MSF) em mais de 70 países. Desde o início da pandemia, MSF tem duas prioridades: a primeira é manter os serviços médicos essenciais já existentes em funcionamento para as centenas de milhares de pacientes que contam conosco; e a segunda é nos prepararmos e respondermos efetivamente ao novo coronavírus. Diante de desafios de uma escala nunca antes vista, as equipes de MSF, assim como todos os profissionais de saúde no geral, tiveram que se adaptar rapidamente às novas realidades impostas por um mundo com a COVID-19.

MSF lançou projetos de resposta à COVID-19 em muitos dos países mais afetados pela pandemia, incluindo Itália, Espanha, França, Bélgica, Brasil e EUA. Ao mesmo tempo, nossas equipes do mundo todo têm trabalhado para dar continuidade aos serviços médicos regulares de MSF, enquanto se preparam para lidar com o impacto do vírus sobre as comunidades vulneráveis que atendem – e tudo isso em meio a bloqueios e restrições de viagens que limitam o movimento de profissionais e suprimentos médicos.

No BRASIL, a MSF atua no Amazonas em coordenação com autoridades locais aumentando a capacidade de atendimento de pacientes com o novo coronavírus e evitando que mais pessoas sejam contaminadas. MSF começou a atuar na capital do Amazonas no dia 25 de abril. A saúde das comunidades indígenas, com pouco acesso a cuidados médicos, são uma das maiores preocupações e o plano estratégico de atenção a essas populações está sendo construído com as lideranças e organizações indigenistas.

MISSÃO PORTAS ABERTAS – portasabertas.org.br

Devido à pandemia do COVID 19 o Domingo da Igreja Perseguida que seria realizado neste 07 de junho, foi adiado para 13 de setembro. O tema do DIP deste ano é Cristãos ex-muçulmanos. Dos 50 países onde existe mais perseguição religiosa, 36 tem como religião predominante o Islamismo.

Hoje o extremismo islâmico representa a maior ameaça à igreja. Ameaça que não está restrita ao Oriente Médio, mas que permeia grande parte da África Subsaariana e Sudeste Asiático, bem como todo o Norte da África e Ásia Central. Além disso, se estende também a países que não são majoritariamente muçulmanos, mas têm uma forte presença islâmica, como China e Índia.

Para o DIP deste ano, já existem 10.046 Igrejas cadastradas (inclusive nossa Comunidade Evangélica), existem 1.004.600 cristãos orando e o DIP estará presente nos 27 estados brasileiros.

Último dia 19 de maio, um cristão ex-muçulmano em Costa do Marfim, foi incendiado pelo próprio irmão, enquanto dormia. Ainda conseguiu fugir para a casa do seu pastor, foi atendido no hospital mas veio a falecer dez dias depois. A polícia prendeu o irmão de Adama, que está ainda sob custódia. A Portas Abertas presta assistência emocional ao pastor do jovem. A brutalidade do ataque deixou toda a comunidade de fé local entristecida.

JUNTA DE MISSÕES MUNDIAIS (CBB) – missoesmundiais.com.br

Apesar da pandemia, igrejas de todo o Brasil continuam mobilizando seus membros e reinventando formas de arrecadar ofertas para a campanha de Missões Mundiais, “Transforme o Mundo com a Alegria de Jesus”. Várias já enviaram suas ofertas, em alguns casos, chegando até a ultrapassar o seu Alvo Missionário estabelecido.

A Igreja Batista Atos de Amor, no Mato Grosso do Sul, realizou a campanha no primeiro semestre do ano e comemorou o fato de ter arrecadado mais ofertas do que o previsto.

Na cidade do Rio de Janeiro, a Igreja Batista da Liberdade, se viu com um desafio nas mãos quando, após três cultos, o de abertura da Campanha e dois com convidados, a política de isolamento social foi implantada. A igreja também conseguiu ultrapassar o seu alvo missionário e já enviou a oferta para Missões Mundiais.

A Igreja Batista do Bom Retiro, em Minas Gerais, contou com as ferramentas digitais para mobilizar seus membros. O Pr. Cioli Frickes Rodrigues diz que realizar a campanha de portas fechadas exigiu fé, sabedoria e discernimento. A igreja conseguiu levantar um valor considerável em oferta para a obra missionária.

A situação da Segunda Igreja Batista de Petrópolis, no estado do Rio de Janeiro, foi semelhante. Eles realizaram o culto de abertura da campanha e, na semana que se seguiu, a igreja decidiu por fechar as portas devido à pandemia. Eles já arrecadaram grande parte do seu alvo missionário, ultrapassando a meta do ano passado.

Que Deus continue abençoando o coração missionário dos irmãos e irmãs de cada igreja que contribuem com a obra missionária mundial. É o povo do Senhor se unindo para levar Jesus Cristo até os confins da Terra.

MINISTÉRIO POR AMOR AO MUNDO – poramoraomundo.blogspot.com

O MINISTÉRIO POR AMOR AO MUNDO, também não alterou muita coisa em sua rotina Missionária. Apenas a nossa Comunidade Evangélica passou a comunicar-se virtualmente. A maioria dos nossos parceiros continuam enviando suas ofertas e apenas a nossa Conferência Missionária que seria realizada em agosto, foi cancelada.

O Programa “Falando de Missões” continua no ar, continuamos contribuindo para as agências missionárias parceiras e apoiando alguns missionários que fazem distribuição de cestas básicas com comunidades carentes de João Pessoa. A nossa Comunidade Evangélica também mantem um programa de Ação Social para membros da nossa Igreja.

Criamos um site (falandodemissoes.com), onde disponibilizamos a nossa Revista On Line, além de enviá-la aos nossos parceiros em arquivo PDF.

A Igreja foi feita para tempos como este. Se ela não é relevante para um mundo sob a sombra do coronavírus, não é relevante”.Gideon Heugh – Colaborador da Tearfund

 O SENHOR REINA – Parte 1

Salmos 96.10 “Digam entre as nações: ‘O Senhor reina!’ “.

Devido a esta pandemia que estamos atravessando, vemos muitas pessoas colocando suas esperanças em probabilidades: “Só vai morrer 4% ou 10% das pessoas”, “morrem mais idosos do que jovens”, “mata mais quem tem histórico de doenças”, etc. Colocar suas esperanças nestas probabilidades, não é um lugar seguro. Existe uma Rocha onde poderemos firmar nossos passos e nossas esperanças. Outras pessoas, acham que Deus está irado, e por isto o Covid-19 isto tudo está ocorrendo. Mas refletindo na Palavra de Deus vemos que os que estão em Cristo podem ter uma certeza:

1 Tessalonicenses 5.9,10: “Porque Deus não nos destinou para a ira, mas para recebermos a salvação por meio de nosso Senhor Jesus Cristo. Ele morreu por nós para que, quer estejamos acordados quer dormindo, vivamos unidos a ele.”

Todos os dias pecamos, e estamos muito distantes do padrão de amor e da santidade de Deus. Mas, não é por nossa causa, nem por causa de nossos pecados, nem por causa de nossa culpa, nem por causa de nossa perfeição. Nossos pecados, nossa culpa e nosso castigo, caíram sobre nosso Salvador Jesus Cristo. Ele “morreu por nós”. É o que nos diz a Bíblia. Estamos livres da culpa e da punição; e podemos ficar seguros no favor misericordioso de Deus.

Então, que vivamos ou morramos, Deus está conosco. Jesus Cristo é a nossa Rocha firme onde podemos colocar os nossos pés, e gostaria que Ele fosse também esta Rocha debaixo dos seus pés.

(Baseado no Cap. I da Parte I do livro Coronavírus e Cristo, de John Piper, Editora Fiel)

RELATÓRIO FINANCEIRO

Mês de maio  2020

I – MISSIONÁRIOS MANTENEDORES:

  1. COM EVANG do MPAOM – R$ 100

2. CONS ODONT Dr Mário Sérgio – R$ 60

3. Ednalva Andrade – R$ 15

4. FARMÁCIAS KIFARMA – R$ 200

5. GRANJA LAZER…R$ 100

6. IgBatInd CRISTÃ – R$ 100

7. J. Francisco (Pr Kito) – R$ 200

8. Lindinalva, Irª…..R$ 20

9. MERCAD. O BARATEIRO…R$ 50

10. Of. Não Identificada- R$ 20

11. Risolene, Irª  – R$  50

12. Rosemayre, Irª – R$  50

13. STCNe……….R$  50

14. Zenildo, Ir…R$50

TOTAL DAS OFERTAS – R$ 1065,00

II – DISTRIBUIÇÃO:

Miss. J. Brito (Neidinha) – R$ 100

Miss. Elvira/África…R$ 200

Médicos S/ Fronteiras (MSF) – R$ 84

Capelania Hospitalar…R$ 100

ProgFal de Missões(R$ 350)+Ed/Grav(R$50)R$ 400

RevFal de Missões – Refil/Papel (Parc 1/3)…R$ 122,02

TOTAL DAS DESPESAS – R$ 1.006,02

III – MOVIMENTAÇÃO FINANCEIRA:

Saldo Anterior (+)…R$    1,63

Ofertas ( + ) ..R$ 1.065,00

Despesas ( – )…R$ 1.006,02

SALDO ATUAL – R$ 60,61

J. Pessoa, 31 de maio de 2020

Pr. ABEL PINHEIRO DANTAS

Presidente do MPAOM

OBSERVAÇÃO: Os recibos originais ficarão à disposição dos mantenedores até o dia 30 de junho de 2020. Poderão conferir cópias através do arquivo PDF na página do facebook Revista Falando de Missões.

EXPEDIENTE

Revista FALANDO DE MISSÕES  – Ano VI,  nº 6,  junho 2020

Periodicidade Mensal

Uma publicação: Ministério Por Amor Ao Mundo

EDITOR:    Abel Pinheiro Dantas   

DISTRIBUIÇÃO : On Line (em arquivo PDF)

Site: falandodemissoes.com  

FECHAMENTO DESTA EDIÇÃO: 09 de junho de 2020

Contato:  Pr. Abel Pinheiro

Fones (83) 9 8726 1745 (whatsapp) / (83) 9 9914 8767

E-mail:       poramoraomundo @hotmail.com

SE VOCÊ QUISER DEPOSITAR SUA OFERTA(Por favor, nos comunique)

  • CAIXA : C/Poupança nº 80.027-3   Ag. 1033 –  Ope. 013
  • Nome: Abel Pinheiro Dantas
  • NU BANK :  Banco 360 – Conta nº 8823326-9 Ag. 001  
  • Nome: Abel Pinheiro Dantas
  • BANCO SANTANDER:  C/C. nº 01087811-5 Ag. 4188
  •  Nome: Abel Pinheiro Dantas
  • BRADESCO : C/C nº 0002277-2 / Ag. 1729
  • Nome: Abel Pinheiro Dantas

DEUS TE ABENÇOE

MAIO 2020

EDITORIAL

“E eis que estou convosco todos os dias até a consumação do século.” Mt 28.20

Graça e paz amados(as). Um conselho bíblico para você nestes dias: Salmos 37.5-7 Entregue o seu caminho ao Senhor; confie nele, e ele agirá: Ele deixará claro como a alvorada que você é justo, e como o sol do meio-dia que você é inocenteDescanse no Senhor e aguarde por ele com paciência; não se aborreça com o sucesso dos outros, nem com aqueles que maquinam o mal.

Creia no Senhor Jesus Cristo, leia a Bíblia e acredite em tudo que nela está escrito. O máximo que o COVID-19 pode fazer conosco é nos levar mais cedo para os braços do Senhor. Continuamos em quarentena, e aproveitamos este tempo para orar pelos muçulmanos neste mês em que eles comemoram o Ramadã. Falaremos um pouco sobre isto.

Também falaremos sobre o que algumas igrejas estão fazendo, enquanto as portas dos “templos” estão fechadas. A nossa Revista está menor, neste formato on line, mas faremos o possível para trazer ao povo de Deus o que realmente interessa. Aproveite, leia, divulgue e prossigamos olhando para o alvo: Jesus Cristo. Não esqueça de seguir o nosso site falandodemissoes.com Deus te abençõe.                         O EDITOR

RAMADÃ – UM MÊS ESPECIAL PARA OS MUÇULMANOS

De 23 de abril a 23 de maio é o mês do jejum islâmico. Durante este período, todos os muçulmanos não comem, não fumam, não bebem (nem mesmo água), não praticam relações sexuais, entre outras restrições, durante o dia do nascer ao por do sol. São excluídas destas obrigações, as crianças menores de 12 anos, mulheres grávidas ou que amamentam, pessoas debilitadas, idosas e enfermas.

Muitos cristãos que vivem no contexto de países islâmicos, onde os muçulmanos são maioria, são perseguidos; e a opressão islâmica é o principal tipo de perseguição. Assim o Ramadã afeta diretamente a Igreja Perseguida nos países de maioria muçulmana. “No Ramadã, os muçulmanos se sentem mais unidos do que nunca em uma comunidade global. Esse sentimento dá espaço a um exclusivismo religioso, em que todos os que não praticam essa fé são vistos como infiéis e, em casos mais extremos, dignos de algum tipo de punição. Assim, é inaceitável para a maioria muçulmana de um país islâmico que não muçulmanos possam comer enquanto eles jejuam.”

“Por que o Ramadã é importante para a fé islâmica? O Ramadã é o nono mês do calendário islâmico e celebra a primeira revelação que Maomé recebeu do Alcorão. O propósito do jejum realizado durante todo esse mês é tirar os muçulmanos de seu cotidiano e fazê-los reexaminar sua vida sob o contexto de um ideal maior. Por exemplo: quando você experimenta fome, torna-se mais consciente do sofrimento dos pobres; e, ao passar por um sofrimento real, mas limitado, pode se preparar para provas mais duras. O jejum do Ramadã é um dos cinco pilares do islamismo e é obrigatório para todos os seus seguidores. Mesmo muçulmanos nominais, não tão conservadores, observam o Ramadã. O sentimento de comunidade é muito forte durante o Ramadã.”

Fonte: portasabertas.org.br

A IGREJA ESTÁ FECHADA? NÃO ACREDITAMOS NISTO!

Quando criamos o MPAOM em 2002, já tínhamos a convicção de que a Igreja do Senhor Jesus Cristo não fecha. Os templos poderão ser fechados, mas a Igreja do Senhor nunca. E a prova disso, é que de 2002 até Outubro/2013, não tínhamos um lugar de referência para nos reunirmos. Fazíamos nossas reuniões mensais nas Igrejas Parceiras, e nunca deixamos de fazer a Obra de Deus por causa disto. A igreja a qual eu era membro, comparecia apenas uma vez no mês (no Culto de Missões), devido as atividades do Ministério que requeriam minha presença em outras igrejas, já que nosso Ministério sempre foi Indenominacional.

Desde outubro de 2013, assumimos a antiga Igreja Batista da Graça e a transformamos na Comunidade Evangélica do Ministério Por Amor Ao Mundo, e lá continuamos nosso trabalho indenominacional ajudando Missionários e Agencias Missionárias na pregação do Evangelho do Senhor Jesus a todas as nações, sempre em parceria com outras igrejas.

Hoje, devido à pandemia, estamos com o nosso templo fechado, mas a Igreja não fechou. Continuamos em contato com os irmãos virtualmente, levando a cada dia uma palavra de ânimo à Igreja (que somos nós), nos aconselhando, ajudando os irmãos que tiverem mais necessidades, promovendo o cuidado e o pastoreio que devemos ter cada um com o nosso próximo.

Somos privilegiados, em ter em nosso tempo a internet, que nos permite alimentarmos da Palavra de Deus; temos o telefone, as redes sociais, onde podemos nos ver e compartilhar de quase tudo que faz parte da Comunhão da igreja. Infelizmente, não podemos ter o contato físico, o abraço, mas isto não impede de cuidarmos uns dos outros mesmo à distancia.

Temos visto uma grande rede de solidariedade de várias igrejas, arrecadando e distribuindo cestas básicas, ajudando financeiramente e apoiando e confortando os necessitados. Estamos em uma época, em que veremos quem eram os frequentadores de nossos templos. Estavam lá apenas como espectadores, ou realmente entenderam o papel da Igreja como Instituição e como Corpo de Cristo.

A igreja não é teatro ou casa de show, que você paga para ter entretenimento. A Igreja é comunidade, é cuidado,  é auxilio, e para isto o Senhor Jesus disse que estaria conosco todos os dias.
A nossa Comunidade Evangélica continua recebendo as doações de seus membros. Tiramos as despesas de manutenção do templo, e o restante procuramos ajudar as pessoas que mais necessitam.

O Ministério Por Amor Ao Mundo continua com o Programa Falando de Missões (tivemos um abatimento de 50% no apoio cultural do Programa), estamos ajudando missionários que estão prestando serviços em comunidades carentes, ofertando para nossas agencias missionárias parceiras e para nós, não acreditamos que a Igreja fechou e que nunca fechará, se realmente cumprirmos a Missão que o Mestre nos designou para fazer.

1 joão 3.21-24Amados, se o nosso coração não nos condenar, temos confiança diante de Deus e recebemos dele tudo o que pedimos, porque obedecemos aos seus mandamentos e fazemos o que lhe agrada. E este é o seu mandamento: que creiamos no nome de seu Filho Jesus Cristo e que nos amemos uns aos outros, como ele nos ordenou. Os que obedecem aos seus mandamentos permanecem nele, e ele neles. Deste modo sabemos que ele permanece em nós: pelo Espírito que nos deu.

Jesus nos ensinou que a sua presença era a expressão do amor de Deus. Tudo que ele realizou foi a expressão do amor que ele tinha por nós. A multidão que o acompanhava também deveria amar como Ele amou. Os dois ensinos caminham juntos – Amar a Deus e amar uns aos outros. Este era o seu mandamento.

A Fé cristã portanto está ligada ao amor que temos por Deus e pelos irmãos. É exatamente isto que Ele espera de cada um de nós. Infelizmente há muitas pessoas que “dizem” amar a Deus por razões estranhas. Alguns, por medo de serem castigados. Dizem que acontecem coisas más para quem estar afastado do bom caminho. E há aqueles que querem amar a Deus para obter uma vida próspera. Mas Jesus ensinou aos seus discípulos que devemos amar a Deus, porque Ele nos amou primeiro. O texto que lemos nos instrui a crer no nome de Seu Filho Jesus Cristo e nos amarmos uns aos outros.

Um menino deficiente estava num supermercado, sentado no solo brincando com latas que tinha tirado das prateleiras. Sua mãe estava fazendo comprasO gerente ouviu aquele barulho de latas e veio gritando com o menino para que parasse de brincar. O menino não deu atenção. O gerente gritou mais alto. A irmã do menino ouviu os gritos, veio correndo e perguntou o que havia. O gerente disse que o menino não lhe obedecia. “Já pedi várias vezes e ele continua fazendo barulho com as latas”. A menina chegou ao ouvido do irmão, falou alguma coisa e imediatamente ele parou de brincar; e ela explicou ao gerente: “Ele não entende quando você fala gritando. Eu apenas falei com amor ao seu coração”.

É disso que precisamos mais em nossa sociedade. Menos gritos e mais expressões de amor nos corações das pessoas. E isso, não é uma opção, mais uma ordenança do Senhor Jesus; pois se o amamos, demonstraremos amor a todos que estão ao nosso redor.

Temos visto nestes tempos de corona vírus, redes de solidariedade se formando: Empresários no RJ doando material de higiene para a favela; profissionais de saúde, se apresentando voluntariamente para trabalhar sem remuneração. Precisamos orar por estes profissionais que estão morando ao lado do perigo.

Achei interessante um aviso que os profissionais de saúde divulgaram na internet: “NÓS ESTAMOS AQUI POR VOCÊS, FIQUEM EM CASA POR NÓS”. Ficarmos em casa isolados, é um dos maiores atos de amor que podemos demonstrar pelo nosso semelhante. Ao nos isolarmos, estamos evitando que o vírus se propague e alcance pessoas do grupo de risco, como idosos, diabéticos, hipertensos e pessoas com baixa imunidade.

Desde 15 de março e todas as noites, estou em minha casa, com minha esposa e minha filha realizando um momento de oração, leitura da Palavra, e hinos de louvor ao nosso Deus. Pedimos aos irmãos da nossa Comunidade, para que façam o mesmo. O dia tem 24 horas, entregue o dízimo deste tempo para o Senhor. São 144 minutos, que você pode dedicar ao Senhor. Uma pregação que você pode assistir são 50 minutos, pode gastar mais 30 minutos com o Culto doméstico com sua família e o restante do tempo pode dedicar-se a oração e leitura da Palavra. E boa parte  do dia, escutando louvores a Deus que possam alimentar o seu Espírito.

Aqui são apenas sugestões. Ore a Deus e ouça a voz do Espírito Santo para fazer aquilo que Ele colocar em seu coração. Com saudades, sintam-se abraçados pelo seu Pastor Abel.

RELATÓRIO FINANCEIRO – Mês de abril   2020

I – MISSIONÁRIOS MANTENEDORES:

1. CONS ODONT Dr Mário Sérgio …R$ 60

2. Ednalva Andrade- R$ 15

3. ESC CONT ONEZILDO MARTINS..R$ 50

4. FARMÁCIAS KIFARMA…R$ 200

5. IgBatInd CRISTà– R$ 100

6. Risolene, Irª  – R$  50

7. Rosemayre , Irª – R$  50

8. STCNe…R$  50

9. Zenildo, Ir R$ 100

TOTAL DAS OFERTAS…R$ 675,00

II – DISTRIBUIÇÃO:

Miss. J. Brito (Neidinha)…R$ 100

Miss. Sérgio&”Xiquinha”-R$ 200

Miss. Erlandy (UNEC)…R$ 150

Portas Abertas…….R$ 98

ProgFal de Missões” (R$ 600)+Ed/Grav(R$100)R$ 700,00

Rev Fal de Missões – Refil/Papel (Parc 1/3)..R$ 122,02

TOTAL DAS DESPESAS …R$ 1.370,02

III – MOVIMENTAÇÃO FINANCEIRA:

Saldo Anterior (+) …R$    696,65                                                      

Ofertas ( + ) …R$    675,00

Despesas ( – ) .R$ 1.370,02

SALDO ATUAL …R$ 1,63

J. Pessoa, 30 de abril de 2020

Pr. ABEL PINHEIRO DANTAS

        Presidente do MPAOM

ABRIL 2020

EDITORIAL

“…mas uma coisa faço: esquecendo-me das coisas que ficaram para trás e avançando para as que estão adiante, prossigo para o alvo, a fim de ganhar o prêmio do chamado celestial de Deus em Cristo Jesus. Todos nós que alcançamos a maturidade devemos ver as coisas dessa forma, e se em algum aspecto vocês pensam de modo diferente, isso também Deus lhes esclarecerá. Todos nós que alcançamos a maturidade devemos ver as coisas dessa forma, e se em algum aspecto vocês pensam de modo diferente, isso também Deus lhes esclarecerá. Tão-somente vivamos de acordo com o que já alcançamos.” Fp 3.13-16

Graça e paz amados(as). Estamos passando por um período de turbulência, mas nosso Pai é o piloto e podemos confiar Nele. Esta Palavra nos impulsiona, e faz com que não olhemos para trás ou para as dificuldades, mas para Aquele que tudo pode e que é o maior interessado na sua obra.

As Agencias Missionárias tem tido muito trabalho e mais que nunca precisa das nossas doações, para que os projetos não parem e os desafios sejam superados. O Senhor conhece as nossas dificuldades, mas também conhece onde está o nosso coração. Entendemos perfeitamente, quando algum dos nossos mantenedores não puderem contribuir, mas estamos diariamente em oração, para que o Senhor possa suprir cada uma de suas necessidades.  O trabalho que a Médicos Sem Fronteiras (MSF) estar realizando durante esta pandemia é o tema da nossa REPORTAGEM DE CAPA. 

Em UM CASO A PENSAR, depoimento da Coordenadora de Conteúdo da MSF Brasil, Gabriela Roméro, que esteve na Republica do Congo e fala sobre a sua experiencia neste período com a MSF.

Confira os ESCLARECIMENTOS SOBRE O NOSSO RELATÓRIO FINANCEIRO e uma boa leitura.

Deus te abençõe.                                                         O EDITOR

UM CASO A PENSAR

“COVID-19: Um medo que é novo para mim”

Gabriela Roméro – Coord. de Conteúdo da MSF Brasil

Escrevo este texto sentada no sofá da minha casa. Perto de mim está meu marido, que vem trabalhando remotamente há duas semanas. De vez em quando, nosso gato passa por um de nós e mia pedindo carinho, satisfeito por ter os dois em casa por tanto tempo. Nós dois estamos seguindo a medida de distanciamento social, a estratégia que tem se mostrado a mais efetiva no combate à pandemia de COVID-19, a doença provocada pelo novo coronavírus.

Em fevereiro, voltei da República Democrática do Congo (RDC), onde trabalhei como gerente de comunicação de emergência para o projeto de resposta à epidemia de Ebola. Posso garantir que, quando você aceita ir para um projeto de Ebola, a pergunta que você mais ouve é se não sente medo. A resposta é mais complexa do que sim ou não. No meu caso, eu tinha  consciência dos riscos, sabia que estaria numa cidade onde não havia mais casos de Ebola e recebi a vacina – o melhor instrumento de proteção contra a doença até agora – antes de chegar à RDC. E, talvez o mais importante para mim, eu sabia que, acontecesse o que acontecesse comigo, a minha família estava protegida no Brasil.

É exatamente por isso que nunca senti medo como sinto agora. A pandemia de COVID-19 que se impõe a todos nós ameaça, principalmente, as pessoas que eu amo. Sim, eu sei que estatisticamente meu marido e eu, jovens e sem doenças crônicas, temos poucas chances de ter uma forma mais grave da doença. O que me assusta todos os dias é o que pode acontecer com meus pais. Minha mãe tem 68 anos e passou há pouco tempo por uma quimioterapia bastante dura. Meu pai tem 88 anos e, como grande parte dos idosos, parecia ter alguma resistência a entender como o distanciamento social é importante neste momento. O meu medo é que, pela primeira vez, minha família corre o mesmo risco (ou mesmo um risco maior) do que aquele que me dispus a correr.

Resolvi escrever este texto quando me dei conta de que este medo pode ser novo para mim, mas ele é velho conhecido dos nossos colegas contratados localmente para os nossos projetos. Dos mais de 43 mil profissionais que trabalham com Médicos Sem Fronteiras (MSF) em campo, mais de 39 mil são pessoas recrutadas no próprio país onde está o projeto. Isso significa mais de 90% dos recursos humanos que tornam possível o trabalho de MSF. O que talvez nem sempre fique evidente é que essas pessoas frequentemente têm a sua vida pessoal atingida pelos mesmos problemas que levaram MSF a decidir atuar no país.

Quando estive na resposta de emergência ao ciclone Idai em Moçambique em 2019, todos os profissionais moçambicanos com quem trabalhei na cidade da Beira tinham algum relato traumático sobre a madrugada de 15 de março. Escutei histórias de falta de acesso à água por semanas e colegas que haviam perdido, literalmente, o teto de suas casas. De um deles, que estava a trabalho em Maputo no dia do ciclone, ouvi que ele ficou dias sem saber se a mulher e os filhos estavam vivos, depois que toda a rede de telecomunicação e de transportes para a cidade da Beira foi interrompida. Nunca vi nenhum deles deixar de trabalhar com toda a garra para garantir que os cuidados de saúde que oferecemos fossem reestabelecidos depois da catástrofe, mesmo quando eles mesmos encaravam desafios privados que eu não sentia na pele.

Hoje, segura na minha casa e sempre tendo notícia dos meus pais, penso mais uma vez em nossos colegas locais que estão no terreno. Com as restrições de voos, mais do que nunca serão eles a levar adiante nossos projetos em mais de 70 países. Eles, que muitas vezes já enfrentam contextos de conflito ou de outras epidemias, terão um enorme desafio adicional com o avanço da COVID-19. Serão eles na linha de frente cuidando dos mais vulneráveis, com todo o risco inevitável que isso implica.

Nessa hora, lembro também que a epidemia de Ebola na RDC está muito perto do fim, já há um mês sem nenhuma nova pessoa infectada pela doença. É um recomeço que ajuda a não desanimar. Enquanto isso, sigo trabalhando de casa, torcendo para que o novo coronavírus deixe o menor rastro possível de destruição na vida de todos os atingidos. Quando as restrições que a pandemia nos impôs tiverem passado, não vejo a hora de voltar ao terreno, colete de MSF no peito e uma vontade enorme de contar as histórias das pessoas que atendemos em nossos projetos. No dia em que isso acontecer, minha admiração será maior do que nunca por aqueles colegas que estarão ao meu lado.

Fonte: msf.org.br

REPORTAGEM DE CAPA

Como a MSF atua no combate à COVID-19

A pandemia do novo coronavírus atingiu todo o mundo e mesmo os países com os sistemas de saúde mais desenvolvidos têm dificuldade para lidar com o número de pacientes com necessidade de cuidados intensivos.

Médicos Sem Fronteiras (MSF) trabalha respondendo a diferentes necessidades em mais de 70 países e está adaptando seus projetos para ajudar também na resposta à COVID-19. Além disso, MSF passou a apoiar a resposta de emergência em países europeus onde não possuía projetos, como forma de aliviar a sobrecarga sobre os sistemas de saúde.

A MSF está presente nas Américas, na Europa, no Oriente Médio, na África e na Ásia.

Na Américas a MSF tem atividades no Brasil, El Salvador e México.

  • BRASIL 

Iniciamos esta semana em São Paulo atividades de combate à COVID-19. O trabalho é focado em pessoas vulneráveis, como pessoas em situação de rua, migrantes e refugiados, usuários de drogas, idosos e pessoas privadas de liberdade.
Além de São Paulo, MSF está se preparando para iniciar atividades no Rio de janeiro, também com foco na população mais vulnerável. Também estamos adaptando nossas ações em Roraima, onde possuímos um projeto direcionado ao reforço do sistema de saúde local em função do aumento da migração, para ajudar nas ações de combate à COVID-19.

Posicionamento de Médicos Sem Fronteiras Brasil para o combate ao coronavírus

“Neste momento, mais do que nunca, é crucial levar a sério as orientações de organizações de saúde. Combater a pandemia de Covid-19 é um imenso desafio e para Médicos Sem Fronteiras essa também tem sido uma tarefa árdua. Estamos diariamente adaptando as estratégias para tentar deter o vírus da maneira mais efetiva. Uma coisa é certa: os dados disponíveis mostram que é preciso romper as cadeias de transmissão. Isso significa que medidas rígidas de distanciamento social são cruciais.

Estas são as recomendações da Organização Mundial da Saúde, fruto do trabalho de pesquisadores e profissionais da área médica que têm atuado de modo incansável para diminuir o avanço das infecções e das mortes pela Covid-19. Reduzir ao máximo o número de pessoas infectadas neste estágio da pandemia, assim como isolar todas as pessoas com sintomas e os que tiveram contato com elas, é extremamente importante. Isso significará ter menos casos graves em um futuro próximo, diminuindo a sobrecarga sobre o sistema de saúde e protegendo, assim, os profissionais que estão na linha de frente do combate à doença. O SUS (sistema único de saúde) já demostrou muitas vezes sua capacidade de lidar com crises graves, mas a dimensão e o impacto desta pandemia parecem inéditos na história recente. Já vimos suas enormes consequências sobre sistemas de saúde de países ricos e temos que agir para tentar evitar que isso se reproduza no Brasil. Estamos preocupados principalmente com a gravidade e as consequências proporcionalmente mais severas para a população mais vulnerável.

Justamente para somar esforços na assistência aos mais vulneráveis, MSF colocou-se à disposição para cooperar e tem dialogado com as autoridades de saúde brasileiras. Já estamos com equipes nas cidades de São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte e Boa Vista para definir rapidamente qual será a melhor maneira de contribuirmos para esta luta, cujo sucesso vai depender do empenho de todos. Por isso, se puder, fique em casa. Todos temos um papel importante em evitar que o coronavírus se espalhe ainda mais. Isso também salva vidas.”

Ana de Lemos – Diretora-executiva de MSF-Brasil

EM 2019 a MSF atuou no apoio às pessoas afetadas pelo rompimento da barragem que armazenava rejeitos da mineração de ferro na região de Brumadinho (MG), ocorrido no dia 25 de janeiro.

Médicos Sem Fronteiras (MSF) enviou à localidade duas psicólogas e uma psiquiatra com o objetivo de fornecer treinamento na área de saúde mental em desastres aos profissionais do Sistema Único de Saúde (SUS) e demais profissionais da área que integram a rede de cuidados à população afetada. O trabalho da organização foi feito de maneira articulada com as equipes do SUS e demais atores presentes no município e foi concluído no fim de fevereiro.

“Desde outubro de 2018 oferecemos suporte psicossocial e atividades de promoção de saúde e sensibilização da comunidade em Roraima para a população de migrantes venezuelanos que deixou seu país de origem.

Em julho de 2019, também começamos a oferecer consultas médicas para aliviar o sistema de saúde pública do estado, que se viu sobrecarregado com as novas demandas. Por isso, atuamos em postos de saúde públicos, atendendo brasileiros e venezuelanos. Os casos mais frequentes que recebemos, como os de diarreia, estão ligados às más condições de vida de muitos dos migrantes.

  • MÉXICO/EUA

A decisão do governo dos Estados Unidos de bloquear os processos de pedido de asilo e de fechar a fronteira com o México, com a justificativa de conter a propagação da pandemia do novo coronavírus, ameaça a saúde e a segurança de milhares de pessoas que buscam proteção internacional nos Estados Unidos e são forçadas a voltar ao México.

Desde o dia 21 de março, equipes de Médicos Sem Fronteiras (MSF) observam o transporte forçado de migrantes e solicitantes de asilo mexicanos e centro-americanos dos Estados Unidos para Matamoros e outras partes do sul do México. Estamos extremamente preocupados com o aspecto sistemático dessas medidas, realizadas sem planos de contingência ou mitigação de seu impacto na saúde pública e nas necessidades humanitárias. “Usar a Covid-19 como argumento para se esquivar de obrigações internacionais em relação a refugiados e migrantes não só é inaceitável, como também contraproducente em termos de controle de surtos”, diz Isabel Beltrán, coordenadora médica de MSF no México e na América Central. “Esses tipos de medidas são desnecessários e desproporcionais, porque discriminam e estigmatizam um segmento da população e impedem que as pessoas que fogem da violência tenham acesso a um sistema de proteção e segurança”.

MSF já respondeu a inúmeros surtos em todo o mundo e sabe que as medidas de saúde pública funcionam quando protegem todas as pessoas e fracassam quando populações vulneráveis, como os migrantes, não são incluídas. Além disso, como MSF destacou em várias ocasiões, as políticas migratórias dos Estados Unidos implementadas pelo México, como o chamado “Protocolo de Proteção aos Migrantes”, colocam em risco a vida das pessoas que são forçadas a aguardar no México a decisão de sua solicitação de asilo nos Estados Unidos. Essas pessoas estão presas em um limbo perigoso e sua vulnerabilidade agora é ainda maior com a expansão da Covid-19.

Atenta à propagação do novo coronavírus, MSF segue monitorando as necessidades de saúde no México e está organizando sua resposta para manter e expandir os serviços médicos prestados no país. No entanto, as equipes estão preocupadas com o impacto dessa pandemia em um contexto em que as pessoas não têm acesso regular a serviços médicos e vivem em condições precárias, que facilitam a disseminação do vírus.

“Nós ampliamos nossas atividades médicas em Matamoros diante da falta de atendimento abrangente dentro do campo, onde vivem cerca de 2 mil solicitantes de asilo. Prestamos serviços de saúde física e mental e realizamos sessões de promoção de saúde. Apesar desses esforços, é impossível implementar adequadamente as medidas de prevenção de infecções – como desinfetar espaços públicos, lavar as mãos com frequência e manter o distanciamento social – em um local onde famílias inteiras dormem juntas em uma única barraca”, diz Beltran.

MSF se solidariza com as populações em situação de vulnerabilidade e faz um apelo aos governos dos Estados Unidos e do México para que assumam a  responsabilidade de assegurar a implementação de medidas inclusivas de mitigação e atendimento médico abrangente, principalmente para pessoas que vivem em condições ameaçadoras, como migrantes e solicitantes de asilo.

“A maior preocupação das pessoas neste momento é a incerteza sobre o seu futuro. Elas não têm escolha a não ser dormir em espaços superlotados, onde não há como obedecer às medidas preventivas necessárias. Estamos cientes dos desafios monumentais que a pandemia acarreta e, por isso, é necessário que os grupos médicos coordenem ações que incluam essas populações em seus planos de prevenção e, se necessário, em suas medidas de contenção”, afirma o médico Marcelo Fernández, coordenador-geral de MSF no México.

Na Europa a MSF está presente na Itália, Espanha, Bélgica, França, Suíça, Noruega, Grécia, Holanda e Ucrânia.

A MSF está atualmente apoiando três hospitais na região da Lombardia com atividades de controle de infecções. Fora dos hospitais, estamos realizando atividades para alcançar pessoas vulneráveis e apoiando um projeto de telemedicina, que está ajudando pessoas isoladas em casa.

Na região de Marche, no centro do país, MSF apoia uma rede de casas de repouso em várias cidades, para impedir que os casos se espalhem em locais vulneráveis. Hoje, existem cerca de 40 profissionais de MSF envolvidos na resposta ao coronavírus na Itália.

Nosso trabalho principal é fornecer suporte à equipe médica dentro dos hospitais. Estamos fazendo todo o possível para manter os médicos e enfermeiros saudáveis, porque, se eles ficarem doentes, não haverá ninguém para tratar os pacientes. Temos muita experiência em prevenção e controle de infecções no combate às epidemias que enfrentamos em todo o mundo, por isso, estamos ajudando a criar fluxos e processos dentro dos hospitais para garantir que os funcionários estejam protegidos e as pessoas também não contraiam o vírus.    

No Oriente Médio a MSF está presente em Gaza, Síria, Jordânia, Iraque, Sudão e Líbia.

SÍRIA

O campo de Deir Hassan, na província de Idlib, na Síria, é apenas um dos diversos acampamentos onde vivem centenas de milhares de famílias deslocadas. Elas fugiram da  ofensiva militar conduzida pelas forças do governo sírio e seus aliados russos entre dezembro e início de março. Este campo abriga mais de 164 mil pessoas em assentamentos espalhados pelas colinas e, como acontece na maior parte do noroeste da Síria, carece de serviços básicos e agora está ameaçado pela propagação potencial da COVID-19.

No dia 16 de março, depois de avaliar as necessidades no campo de Deir Hassan, Médicos Sem Fronteiras (MSF) distribuiu itens de primeira necessidade para 180 famílias nos assentamentos de Latamneh e Al Habeet, que incluíam tendas, tapetes, lonas plásticas, cobertores, utensílios de cozinha e kits de higiene.  “Nós presenciamos pessoas vivendo ao relento. Vimos também duas ou três famílias dividindo uma mesma tenda e que não as protegia do frio ou da chuva. Havia poucas tendas para acomodar os recém-chegados”, explicou Ahmed, líder deste projeto de MSF.

No noroeste do país, estamos revisando os sistemas de triagem e o fluxo de pacientes em alguns dos hospitais que apoiamos. Criamos comitês de higiene e doamos equipamentos de proteção para a equipe. Em alguns campos de deslocados internos em que atuamos, adaptamos o sistema de triagem de nossas clínicas móveis e revisamos nossos protocolos para poder continuar as distribuições de produtos de primeira necessidade e serviços de saúde.

No hospital Al Salama (Azaz) e em instalações apoiadas em Idlib, as equipes de MSF estão realizando treinamento para a equipe médica. Unidades de isolamento, vias de encaminhamento de amostras e pacientes estão sendo identificados e as diretrizes de controle e prevenção de infecções estão sendo implementadas.

Fonte: Todas as informações aqui contidas estão disponíveis no site msf.org.br

RELATÓRIO FINANCEIROMês de março de 2020

I – MISSIONÁRIOS MANTENEDORES:

1. BATISTA FERRAGENS – R$ 100

2. Ednalva Andrade – R$ 15

3. ESC. CONTAB. ONEZILDO R$ 50

4. FARMÁCIAS KIFARMA – R$ 200

5. GRANJA LAZER – R$ 100

6. Ig Bat IND CRISTÃ BR – R$ 150

7.Ig Bat VIDAS P/ CRISTO – R$ 150

8. J.E. ASSIST TÉCNICA – R$ 100

9. Pedro Anízio, Ir – R$ 200

10. Roberta – IBatInd Cr – R$ 80

11.Risolene, Irª  – R$ 50

12.Rosemayre, Irª – R$  50

13. STCNe…R$  50

TOTAL DAS OFERTAS…R$ 1.295,00

II – DISTRIBUIÇÃO:

Miss. J. Brito (Neidinha) R$ 100

Miss. Noelma Abílio – R$ 100

MSF …. R$ 84

Portas Abertas….R$  71

Prog “Falando de Missões” …R$ 700

Pr Fal Missões+Ed e Gravação..R$100

RevFal de Missões – Refil (Parc 4/4)..R$ 68,18)+

RevFal de Missões – Papel R$ 59,97:Total:R$ 128,15

TOTAL DAS DESPESAS….R$ 1.283,15

III – MOVIMENTAÇÃO FINANCEIRA:

Saldo Anterior (+) – (-) R$ 15,20   

Ofertas ( + ) …R$ 1.295,00

Despesas ( – ) …R$ 1.283,15

Sub Total do Saldo…(-)  R$  3,35

INCORPORANDO AO SALDO ATUAL …R$ 700,00*

SALDO ATUAL ………………………………..R$ 696,65

*Ref. acumulado para IX Conferência Missionária.                                         

                           J. Pessoa, 31 de março de 2020

                        Pr. ABEL PINHEIRO DANTAS

                                 Presidente do MPAOM